sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

1.000 Horses In My Herd (5)

Vestido como eu estava, não passaria despercebido mesmo que não fosse Presidente. Mas naquela noite, eu deseja fazer-me notar, agir de forma barulhenta mesmo, passando a impressão de um principiante, de propósito . ''Provocar a hilaridade e o sarcasmo '' (eu pensava) ''tornara-se um truque indispensável em certos momentos, mas com a condição de não denegrir ou rir em público ''. E eu aprendera a colocar-me facilmente nesse estado, um riso abafado vindo de estranhas cavidades do meu espírito, como bolhas,  se transformava em eloquência oficial midiática na altura do meu esôfago, e só dois ou três dias depois os Donos da Notícia percebiam o que tinha se passado  ''. Realmente (??) , perguntava- me diante do espelho, naquele momento : Uma potência como os Estados Unidos não podia mais se dar ao luxo de continuar agindo como vinha agindo, havia uma necessidade premente de um exorcismo da função presidencial, quando o risco de perdermos a hegemonia perante as crises globais se multiplicavam . Acc ... a qualidade (a que a lama ---- vinda de todos os lados --- podia enegrecer silenciosamente, digo : sem se tornar notícia ) . O esforço do Presidente Putin para não perder suas bases de lançamento de foguetes na Ucrânia havia transformado a OTAN numa maldição estranha com um falso senso de humor, devido à lábia do Presidente Obama. Quid occidere (?) O Ocidente quer os seus próprios foguetes ali , rondando pela beira do cercado,  para encurralar a Rússia num pântano gelado. Mesmo sendo grotesco do ponto de vista estratégico, impõem algum respeito à Rússia. Digo: cores mais alegres que essas não serviriam para nada, e até agravariam a situação, cuja cobertura jornalística  já pode ser considerada a maior distorção da geopolítica atual. Uma obra-prima da traição. Parece que para purificar o  conceito de guerra seria preciso (Catulo na interrogativa ??) trocar as bases russas pelas ocidentais e começar a assoviar com dedos no gelo. Mas já conhecemos esse roteiro : desde Bin Laden que Washington vem fracassando contra a Rússia. NADA DE FORNOS NO DEPÓSITO DE QUALQUER UM SÓ PARA VARIAR. Quem tentar qualquer trapaça armada (agora ) será posto sobre um burro velho e levado através das principais ruas do mundo bem lentamente . Assad no poder ele disse : ''Deve ter alguma cultura geral e certamente não fará confusão com os contratos ''. Onde estávamos mesmo (??) O Presidente Obama transformado num recipiente político vazio às vésperas das eleições . Açoitado, raspado embaixo e posto para fora com toda elegância e gentileza que ele sempre mereceu, seu bom humor reinando de um lado à outro da disputa. Disputa que ele perdeu. Mas esses caras continuam rindo o tempo todo, é inútil tentar ultrajá-los. Ninguém lhe faltou com o respeito enquanto a Guerra Fria renascia às suas costas. Sua sensibilidade de espectador (de costas) inclusive ajudou muito. Estou, obviamente, considerando a arte política do ponto de vista interno. Monológico, on acid : -----Muito bom uso do ''aveu'' , e do duplo 'm'. Por favor, alguém relate isso: satanice stimulatus. ELES NÃO ME IMPORÃO SEMELHANTE ENTRAVE (!) ----- , agora com uma apreensão total  do objeto pelo espectador. Visto demais, a visão pode ser reencontrada em qualquer lugar. Dêem-me mais algum tempo, e eu lhes mostrarei tudo que consegui flertando com o ABISMO. Se pudesse refletir com sangue-frio a respeito do trabalho  que me deram, talvez o considerasse facilitado pelo Demônio, cedendo lugar à experiência política criativa , que vê nos próprios atos de governo apenas ''une promesse de bonheur '', e nada mais. Hora da sombra mais curta. UM RECORDE (!) Nunca humilharam tanto nossos marines americanos quanto nessas campanhas fracassadas junto com a OTAN ---- esses conflitos todos fizeram dos continentes um matadouro surrealista, a escrita automática das divisões de assalto e a dança explosiva dos suicidas.Tudo bem : mas tendo  alcançado o limite extremo do meu destino , a Presidência dos Estados Unidos, a arte sai agora do horizonte neutro da estética publicitária para se reconhecer apenas na ESFERA DE OURO da vontade de poder nietzscheana . O escultor agora se inflama diante da própria criação até soprar-lhe vida , usando o ''pagamento psicológico'' , como as concessões de viagens oficiais , missões diplomáticas e posicionamentos públicos autorizados para afagar o ego de uma equipe de governo bilionária. Relate isso também: PAGAMENTO PSICOLÓGICO, pois há pessoas que (de fato) adoram assoviar sem motivo, quando se sentem esquecidas. É isso que conta no teatro interno de cada um, e que a mídia manipula como um demônio. VAIDADE. Assoviar sem motivo e sem estilo, produto de uma vaidade ferida. Conhecer o manual do ego e minutar as atas de suas vaidades. O ego da maioria dos ricaços possui uma boa caligrafia , mas escrevem pontos e frases que frequentemente alteram o sentido dos tweets e sua fumaça total na ordenação dos assuntos, pretendendo mostrar como nosso pensamento deve seguir. Inútil : ele seguirá rumo à idéia de um ilimitado crescimento  e potenciação dos valores vitais, enquanto o ponto focal da arte de governar se desloca dos espectadores desinteressados para a fogueira das vaidades, no centro da qual está o líder investido por Deus, se defendendo dos mosquitos com aquele livro de Nietzsche na mão. O quê ?? Angela Merkel arrastando seu Partido Católico de Centro para um abissal terceiro lugar enquanto a União Européia se espaventa com seus bancos e ''trabalhos a serem feitos'' ... para realçar ainda mais a agonia do Ocidente, relate isso também : uma surpreendente coincidência de visões traçando com frieza  os planos do amanhã global. Esta corrente , quatro ou cinco vezes mais longa que o necessário, repousa, atualmente,  enroscada no bolso de algum deus perverso da geopolítica... par une liaison magique, atroce , quec la réalité et le danger . Mas se eu não prestar  atenção em cada detalhe, no entanto , até eu corro o risco de ser dominado pela cólera, e a cólera é um luxo que eu não posso me dar . Aprender a lidar com a gestão compartilhada do mundo.  Aprender a lidar com a China. Até agora foi um sucesso : o fascínio do twitter maximizando a''fractio vocis ''durante o ''debate''.  Nietzsche de novo. Oh (!) , mas não é impunemente que arriscamos ser doces, polidos e razoáveis e pacientes, na arte de governar.  O que se passa no espelho é mais importante que o que passa na televisão. Com o cansaço do dia de trabalho, sempre virá a calma. Algumas palavras de recriminação internacional podem ou não morrer nos meus lábios antes do reencontro com a mídia . Os chineses venderão  títulos do Tesouro americano para manter o câmbio e isso não é mau. U$ 3 trilhões de reservas e um alto preço ainda a pagar para estabilizar o yuan a curto prazo.  E isso é mau. Levar uma coisa do não-ser ao ser,  como aquilo que há de mais inquietante na política econômica , pode conduzir à uma depreciação adicional . Quando isso acontecer, o Twitter destruirá o mundo.  E isso não é mau.  Passos curtos e rápidos, cabeça erguida, respiração econômica, com o ar de nada ver mas na realidade atento aos menores detalhes do caminho ... ainda tenro para  os ''Grandes Atos Justiceiros '' (?) Jamais repetir o''putsch'' de Hillary contra Kadaffi, buscando alianças drásticas. Essas macaquices são familiares, mas se disfarçam de uma situação para a outra. Há sempre alguém querendo tirar proveito de um desenho inicial promissor na areia. PROMESSE DE BONHEUR . E, se é verdade que é somente na casa em chamas que se torna visível  pela primeira vez o problema arquitetônico fundamental de um governo , nós estamos hoje sem nenhuma dúvida numa posição privilegiada para compreender o sentido autêntico de nosso projeto de nação. LA MAGIQUE ÉTUDE DU BONHEUR. Qualquer outro desenho tornar-se-ia uma narrativa fastidiosa para uma platéia incrivelmente aflita,  uma fatalidade anti-poética... e nós temos uma terrível necessidade poética correndo em nossas veias, como fogo. 

K.M.

Nenhum comentário:

Postar um comentário