sábado, 3 de maio de 2014

''Cambio de velocidad''


O conceito de ''frequência'' se maneja na cultura popular desde a revolução psicodélica dos anos sessenta; mas quase sempre apenas como uma intuição ou como consequência de nossas limitações linguísticas; ao não se poder definir algo com precisão isto se generaliza como nebuloso conceito de ‘’frequência’’. No entanto, este incipiente alerta ás modulações do ambiente, ás avalanches de ondas electromagnéticas, nos induz a uma ressonância profunda com a natureza do universo e a construção da realidade através da percepção.

 

Esta é a teoria da Natureza Poliarmônica da Realidade, expressa por Julian West:

 

‘’O planeta Terra é um organismo electromagnético que exibe uma ressonância periódica (geralmente conhecida como ressonância Schumann, 7.8 hertz por segundo), uma frequência natural de vibração sintonizada pelo momento angular de sua rotação axial. Ionizada por um constante fluxo de radiação solar, o padrão de onda habitual propagado pelo domínio de frequência fundamental da terra é amplificado e aumentado em um complexo padrão de ondas que se entre-tecem e inter-penetram mas sem superpor-se umas ás outras ou interferir mutuamente (na grande maioria dos casos), pois se isso ocorresse perceberíamos o mundo como uma confusa e caótica borrasca (algo assim como um holograma dividido até perder sua imagem).

 

‘’Realmente não existe a cor, o aroma ou o som na natureza, só há uma matriz de energia que se desdobra em matéria num fluxo (holomovimento) eterno. E esse fluxo é uma rede poliharmônica de longitudes de onda que se entre-tecem, as quais, quando são transduzidas pela neurobiologia humana se convertem em um mundo fenomênico cuja reprodução reconhecemos como sendo ‘’a realidade’’ ou imagem da realidade de quando estamos acordados.

 

"Mas a neurobiologia humana é já um organismo electromagnético sintonizado e restringido a um domínio específico de frequência dentro da Hiper-esfera -Mundo. Qualquer longitude de onda que se propaga mais além do domínio de frequência específico no qual opera comumente a neurobiologia humana se filtra inacessível, se torna invisível, inexistente. No entanto, seria um equívoco supor que (o invisível) não existe só porque não entra no espectro limitado de nossa percepção’’.

 

"Se aceleramos o momento angular dos eléctrons que compõem o neuro-sistema humano, a frequência fundamental do corpo se eleva, produzindo sobretons harmônicos mais altos, expandindo desta forma a consciência rumo a estratos perceptivos mais sutis dentro da Hiper-esfera.’

Post.S;.

 

: é o que Don Juan Mattus chamava de cambio (mudança) de velocidad.

UMA GNOSE QUE NÃO É COMUNICÁVEL
 

é uma gnose que não é comunicável (Anguttara-Nikaya III, 444)

(...)
 

Velha comparação, comum aos Upanishades e ao budismo: quando os rios atingem o mar, perdem nome e forma, e só se fala do "mar".

 

(...)
 

"A gota de orvalho desliza para o mar resplandecente". Sim, mas a fórmula não é exclusivamente budista: nós a encontramos em Rumi (Nicholson, Diwan, XII, XV; Mathnawi, passim), em Dante (sua voluntate..:. è quel maré ai qual tutto si muove (Par. III, 84), em Maestre Eckhart (also sich wandelte der Tropfe in das Meer... "o mar da insondável natureza de Deus), em Angelus Silesius (wenn Du das Tröpflein weisz im grossen Meere nennen, denn weisz Du meine Seel'im grossen Gott erkennen, Christl. Wandersmann, II 25) (Deus é submersão) e também na China, onde o Tao é o oceano ao qual tudo regressa (Tao-te King, XXXII, Lao Tsé).


(...)

O ser humano emite biofótons de baixa intensidade: em 2009 um grupo de cientistas japoneses logrou captar a luz do corpo humano.

Estar feito da mesma matéria que as estrelas tem suas consequências e uma delas é que nós humanos emitimos luz.

Ainda que essa luz seja invisível para o olho humano, cientistas japoneses comprovaram que o corpo humano produz biofótons como resultado de seu metabolismo energético.

Cientistas do Departamento de Eletrônica e Sistemas Inteligentes do Instituto Tohoku usaram uma câmara criogênica CCD sensível á emissões fotônicas ultradébeis, descobrindo que o corpo humano produz pulsos rítmicos de luz e é o rosto o que emite a maior e mais constante quantidade de biofótons
(resplendor do rosto que, na Idade Média, se representava com a auréola )

Também notaram que existe uma maior emissão durante a tarde em comparação com o dia e a noite, o que provavelmente se deve á mudanças no metabolismo, algo que pode ser observado nas espécies ativas baseadas em oxigênio. Assim mesmo, indivíduos que haviam sido privados de sono apresentaram uma menor luminosidade - daí que dormir bem signifique brilhar mais.
P.S:.

de O HOMEM E SEU DEVIR SEGUNDO O VEDANTA
(René Guenón)

O estado energético está ligado ao estado corporal de duas maneiras diferentes e complementares, pelo sangue enquanto qualidade calórica, e pelo sistema nervoso enquanto qualidade luminosa.


(...)


’Só então O verá, quando não possas mais falar Dele; pois o conhecimento Dele é silêncio profundo, e supressão dos sentidos’’

Hermes, «Lib.» X.5


(...)

Este ‘’lado silencioso’’ se identifica com o que se chama de ‘’os olhos prensados de soma’’ no vedantismo, olhos pelos quais o Conhecedor do campo alcança o mundo da Luz. Há uma referência a estes ""Olhos de Soma, olhos de contemplação (dhi) intelecto (manas) com os quais nós contemplamos o Princípio Supremo’’ (hiranyam, Rg Veda Samhita I.139.2, ou seja, Hiranyagarbham, o Sol, a Verdade, Prajapati, como em Rg Veda Samhita X.121).


A oração bem conhecida do Rg Veda Samhita X.189, dirigida a Rainha (Sarparajm) que é por sua vez tbm a Aurora, a Terra e a Esposa do Sol, se conhece também como o CANTO MENTAL (manasa stotra) devido evidentemente a que, como se explica en Taittiriya Samhita VII.3.1, se «CANTA MENTALMENTE» (manasa stuvate), e isto é porque está dentro do poder do intelecto (MANAS) não só abarcar isso (MAM, ou seja: o universo finito) em um único instante mas também transcende-lo, não só contê-lo (paryaptum) mas também envolvê-lo (paribhavitum). E desta maneira, através do que é anunciado previa e verbalmente (vaca) e do que se anuncia depois mentalmente ‘’se possui e se obtém os dois mundos (os dois níveis de consciência)

cambio de velocidad: Agarrar o Infinito na palma da mão
E a Eternidade num instante."
(William Blake)



Precisamente o mesmo está implícito em Satapatha Brahmana II.1.4.29, onde se diz que tudo que não se obteve com os ritos precedentes se obtém agora por meio dos versos á SARPARAJNJ recitados, como de regra, mental y silentemente; e assim se obtém o TODO (SARVAM).

(...)

Se compreenderá que Agni e Indra são tanto RESSONÂNCIAS quanto LUZES, e que o ‘’bramido’’ das chamas de Agni é também sua CREPITAÇÃO ou CANTO. O Sol mesmo CANTA e isto se encontra expresso no verbo ARC, que significa exatamente CANTAR ou BRILHAR, ou mesmo as duas coisas ao mesmo tempo (VERBUM ET LUX CONVERTUNTUR)

É desnecessário examinar aqui se USNISA significa PROTUBERÊNCIA CRANEAL ou TURBANTE. Em um e outro caso está indicando que é do alto da cabeça que vem a LUZ. Há um paralelo estreito entre a redação em Jataka VI.376, onde a divindade do parasol real emerge por uma abertura no alto da cabeça (‘’Algumas Palavras Pali’’, Ananda Kentish Coomaraswamy)

Em algumas representações deste RAGA o cantor está em um reservatório de ‘’água primordial’’ por segurança

o FOGO, vindo a ser tornar FALA, ocupou TODA A BOCA

agnir vag bhutva mukham pravisat

morando nos seres como a FALA no FALADOR

é certo que todos os PODERES DA ALMA (PRANA) são MEDIDAS DO FOGO DO ESPÍRITO SANTO

a FALA corresponde ao FOGO, a VISÃO ao SOL, etc